top of page

DHL Supply Chain Abrirá vagas para motoristas mulheres e adquire 40 caminhões elétricos.

As iniciativas visam reduzir pegada de carbono, expandir serviços logísticos sustentáveis e trazer mais diversidade ao perfil de motoristas

Foto divulgação Google

A DHL Supply Chain anunciou a aquisição de 40 caminhões elétricos (VUCs), aumentando a frota eletrificada para 70 veículos – entre utilitários e caminhões. Outro foco é quanto à diversidade: atualmente, a companhia dispõe de 40 motoristas mulheres atuando nas operações de transporte.


Em relação à sustentabilidade, a DHL tem a expectativa de evitar a emissão de cerca de 22 mil toneladas de CO2 (WtW) em 30 anos, contemplando tanto a frota atual quanto as futuras aquisições. A meta da companhia é zerar emissões até 2050.

“Com os novos caminhões, haverá um impacto grande, pois a capacidade de carga deles é muito superior aos veículos utilitários, possibilitando que utilizemos este perfil de veículo em uma gama maior de projetos logísticos”, explicou o vice-presidente de Transportes da DHL Supply Chain, Fábio Miquelin. “Conseguimos também chegar a mais mercados e regiões do país com um impacto ambiental quase zero.”

Com capacidade de até 4,1 toneladas, o novo modelo adquirido foi o JAC iEV1200T, caminhão VUC, 100% movido a energia elétrica. O veículo possui baixo custo operacional, autonomia de 250 km, baterias de fosfato de ferro-lítio de 97 kWh. Outras vantagens são a isenção de restrições na circulação urbana, silêncio, baixa trepidação na rodagem e agilidade na recarga.


Além do caminhão VUC, a frota eletrificada da companhia também tem modelos toco (caminhão semi-pesado) e carros utilitários elétricos. Atualmente, a DHL Supply Chain possui uma frota zero emissões inclusive na emissão indireta do consumo de eletricidade, por realizar a neutralização com iREC (Certificado de Energia Elétrica).


Os veículos serão utilizados para coletas e entregas em diversas regiões do Brasil, principalmente para os mercados de varejo, e-commerce, moda, consumo e insumos médicos e remédios, incluindo pontos como shoppings, farmácias, lojas de rua e supermercados. A companhia fechou também projetos para descarbonizar trechos inteiros de distribuição, como é o caso do trabalho realizado para uma grande marca de cosméticos, no qual a DHL eletrificou as entregas para todas as lojas de São Paulo. Há a possibilidade ainda de levar este perfil de entrega há outras capitais do Brasil.


MULHERES NA ESTRADA

Alinhada às práticas de ESG, a DHL também está investindo em diversidade. A companhia planeja abrir vagas na contratação de mulheres que sejam motoristas profissionais (carteira de habilitação D) na Grande São Paulo. Com o projeto, o intuito é preencher 70% das oportunidades com profissionais mulheres e 30% homens.


“Nós já tínhamos práticas consolidadas de promoção entre nossa equipe de armazenagem e nas lideranças e agora conseguimos chegar também aos motoristas”, afirmou Fábio Miquelin.

“As mudanças provocadas pela pandemia elevaram a demanda por serviços logísticos, de forma que expandimos a nossa equipe. As motoristas mulheres nos ajudam tanto nesta questão como a tornar mais diversa a nossa equipe. Temos feedbacks muito positivos de clientes e das próprias motoristas. Creio que o setor seja fortalecido com uma participação maior das mulheres.” – Fábio Miquelin.

 




Comments


bottom of page